Estados Unidos

Roteiro na Rota 66 e onde ficar: dirija por 6 dias na famosa estrada (EUA)

Viajar pela histórica Rota 66 (EUA) é uma aventura obrigatória para quem gosta de carros. E para não sair dirigindo sem rumo, basta seguir esse roteiro com hotéis e motéis ao longo do caminho

É só no momento em que você está no meio da estrada deserta, com o horizonte de fim de tarde cortado pelos cactos do deserto, que a ficha cai: “Estou na Rota 66”. É um sentimento de libertação e adrenalina. Só você, seus amigos, a música alta no rádio, uma paisagem única e o asfalto como um tapete abrindo passagem para férias que você sabe que vão marcar a sua vida. Não há preocupação nem ar poluído – mal há sinal de celular. É o máximo da tranquilidade traduzida num só cenário. É, acima de tudo, estimulante!

Com 4 mil quilômetros de extensão, indo de Chicago a Los Angeles, a Rota 66 foi oficialmente desativada em 1985, mas serviu como uma das estradas mais importantes dos Estados Unidos durante seu auge nos anos 1950 e 1960. Por isso, dirigir pelos caminhos e atalhos que compreendem essa histórica estrada é uma viagem no tempo, remontando até ao passado colonial do país. Uma coisa não mudou: a jornada continua sendo um rito de passagem aos viajantes assim como era há meio século.

Quer descobrir por quê? Siga o nosso roteiro de seis dias pela Rota 66, com dicas de passeios e hotéis, para experimentar você mesmo.

O começo da jornada: Chicago

1/4

Toda boa jornada precisa começar com o pé direito. Se você acredita nisso não pense duas vezes antes de escolher o The Langham, Chicago como sua primeira hospedagem e ponto de partida para sair pela Rota 66. O luxuoso hotel cinco estrelas está a poucos quilômetros da estrada (o que facilita tudo) e fica bem à beira do rio Chicago, rendendo vistas incríveis. Há também várias opções de bares, restaurantes e compras na região. Os quartos do Langham são elegantes e com janelas do chão ao teto que vão te dar um bom panorama de Chicago. Relaxe nos deliciosos colchões king-size e tenha uma boa noite de sono para começar a jornada bem descansado.

De manhã, vá à famosa lanchonete Lou Mitchell’s, que funciona na cidade desde 1923 preparando completíssimos pratos de café da manhã no estilo americano. Peça uma das imensas omeletes com recheio da sua escolha e as tradicionais torradas francesas como acompanhamento, ou vá de ovos e bacon para uma refeição bem raiz. O restaurante costuma ter fila, mas você pode ficar petiscando massas de donuts enquanto espera.

The Langham

Melhor avaliado
Chicago
9.9 Excelente (4887 avaliações)

Dia 1: De Chicago a Springfield, Missouri

A Rota 66 começa no centro de Chicago na Adams Street, a oeste da avenida Michigan. Aqui, você vai ver a placa de “Início” da histórica estrada. Para viajantes vindos do outro sentido há uma placa de “Fim” na esquina da avenida Michigan com a Jackson Boulevard.

De Chicago, a viagem até Springfield, no Missouri, dura oito horas, e nesse percurso você vai ver o lado mais urbano da estrada. Springfield é considerada o local do verdadeiro nascimento da estrada. Foi aqui que uma reunião de líderes em 1926 designou a criação da chamada “Estrada Mãe” dos Estados Unidos.

Confira motores e lataria neste clássico motel dos anos 1950

1/3

Hospedar-se em tradicionais motéis com temática de carros e que datam dos anos 1950 é um daqueles toques obrigatórios na sua aventura pela Rota 66. Infelizmente, várias dessas relíquias do passado puxaram o freio de mão ou então foram ladeira abaixo e, sinceramente, a visita não vale a pena. Mas o Best Western Route 66 Rail Haven está aqui para mostrar que os bons continuam – e ficam ainda mais fortes com o tempo.

Este motel tem toda a cara daqueles que a gente vê nos filmes americanos, em que você entra com o carro e estaciona na frente do seu quarto. O lobby se aproveita da nostalgia da estrada para te levar de volta no tempo com uma decoração retrô. Já os quartos, apesar de simples, possuem confortos raros em motéis de estrada, como roupa de cama de algodão (ao invés de poliéster), bastante espaço e piscina.

Best Western Route 66 Rail Haven

Melhor avaliado
Springfield
8.8 Excelente (1886 avaliações)

Dia 2: De Springfield a Oklahoma

Saindo de Springfield, a Rota 66 vira ao sudoeste e entra no estado de Oklahoma, por onde passam 685 quilômetros da Estrada Mãe. E aqui há uma referência literária que marcou os Estados Unidos: o termo “Estrada Mãe” vem do livro “As Vinhas da Ira”, lançado em 1939 por John Steinbeck. O livro começa na Oklahoma dos anos 1930, que não apenas passava pelas consequências da Grande Depressão como também da terrível tempestade de areia que acometeu boa parte do país nessa época, causando desastres em toda sociedade americana. O romance segue a jornada da família Joad pelo estado conforme eles seguem rumo ao oeste – à Califórnia. A estrada por onde passam? A Rota 66!

A Rota 66 também é conhecida pelas bizarrices à beira de estrada que acabam virando curiosas atrações. Em Foyil, por exemplo, você pode conhecer o maior totem de concreto do mundo, uma torre de quase 20 metros de altura num parque cortado pela estrada. Já no caminho de Catoosa há a estátua de uma baleia azul (sim, bem do lado da estrada) onde você pode fazer uma parada rápida e tirar uma selfie.

E passando pela cidade de Arcadia, a 150 quilômetros de Tulsa, é impossível você não ver a garrafa de refrigerante de 20 metros de altura em frente ao restaurante Pops 66 Soda Ranch. O restaurante, por sinal, vale a visita: as paredes dele são forradas por garrafas de refrigerantes coloridos de nada menos que 700 sabores diferentes. Você pode escolher o que quiser e experimentar tanto os mais tradicionais quanto os ultrabizarros (tem de manteiga de amendoim com geleia, asinhas de frango, bacon com xarope e torta de limão!). As cadeiras e banquinhos do salão seguem essa mesma paleta de cores, criando um ambiente bem único.

Fique no primeiro arranha-céu de Oklahoma

1/3

Depois dos quilômetros rodados no dia, o merecido descanso é na cidade de Oklahoma. Ela pode não ter quartos inspirados em carros antigos, mas definitivamente transpira história. Os 12 andares do The Colcord Hotel foram erguidos em 1910, fazendo dele o primeiro arranha-céu da cidade. À época, ele era um verdadeiro luxo, e vários elementos do passado continuam aqui para serem admirados, como as colunas e paredes de mármore na recepção e o inconfundível letreiro iluminado no topo.

Colcord Hotel

Melhor avaliado
Oklahoma City
9.3 Excelente (1607 avaliações)

Dia 3: De Oklahoma a Tucumcari, no Novo México

Antes de deixar Oklahoma, faça uma parada em Clinton, onde você vai encontrar o Museu da Rota 66 de Oklahoma. Ele usa músicas e vídeos para te levar a uma viagem de mais de sete décadas pela história da Estrada Mãe, com fotos da época da construção, relatos de quem atravessava a estrada procurando uma vida melhor em outros estados e gritos dos soldados que voltavam para casa depois de guerras.

Cruze a divisa de estados e entre no Texas já pensando no almoço. Na cidadezinha de Adrian, o The Midpoint Café é uma tradicional lanchonete americana que marca exatamente o meio do caminho entre Chicago e Santa Mônica na Rota 66. Este lugar é tão marcante que uma antiga proprietária serviu de inspiração para a personagem Flo, dona de uma lanchonete no filme Carros, da Disney. Comemore a tradição pedindo uma das tortas, cujas receitas seguem inalteradas desde os primeiros donos.

Depois de encher o tanque e o estômago, continue pelos 100 quilômetros restantes até o estado do Novo México, onde a paisagem já começa a ganhar a cara de deserto árido. No meio da jornada você vai passar por Tucumcari, uma cidadezinha fascinante que é uma das paradas favoritas dos viajantes.

Deseje vida longa à era dos motores neste motel incrível!

1/4

No labirinto de luzes, vá direto para o letreiro de neon com o nome do Roadrunner Lodge. Os donos deste motel de beira de estrada fazem um belo trabalho para manter vivo o clima da época áurea da Rota 66, em que todo mundo rodava com seus carros antigos pela região. Para ambientar o hóspede, a equipe do motel deixa tocando nas áreas comuns programas de rádio originais dos anos 1950 e 1960, além de músicas e comerciais da época. Os quartos são simples, mas têm o suficiente para a sua noite, inclusive com um gramado onde você pode acender uma fogueira, comer uns petiscos e tomar uma bebida numa roda com os amigos.

Roadrunner Lodge

Melhor avaliado
Tucumcari
9.0 Excelente (514 avaliações)

Dia 4: De Tucumcari a Albuquerque

Ligue o som, abra os vidros e admire a paisagem única do deserto enquanto você acelera seu carro para o oeste, atravessando o Novo México em direção a Albuquerque. É nesse cenário árido que você vai encontrar… uma piscina natural prontinha para nadar! Você não leu errado: Santa Rosa, um dos municípios do Novo México cortados pela Rota 66, tem uma imensa piscina de águas subterrâneas chamada Blue Hole, de 20 metros de diâmetro.

Os visitantes podem se refrescar à vontade: é só chegar, trocar de roupa e nadar na água azulzinha. A temperatura fica sempre na casa dos 16 graus, então é uma boa pedida para os dias de calorão. O Blue Hole faz parte de um sistema de lagos interligados por galerias subterrâneas, e por isso ele recebe 11 mil litros de água nova por minuto. Como a água está sempre sendo trocada, a visibilidade é incrível. Não à toa visitantes do país inteiro vêm para mergulhar. Se quiser entrar nessa, você precisa comprar uma licença semanal que custa 20 dólares, ter o certificado de mergulho e seu próprio equipamento.

Se mergulho não é sua praia, não se preocupe. Santa Rosa é o lar do Museu do Automóvel da Rota 66, que tem 35 carros antigos em exposição, assim como mobília temática da estrada. É sem dúvida uma boa parada para fotos.

Relaxe num confortável motel-raiz americano

1/3

Dirigindo por 200 quilômetros de Santa Rosa você chega a Albuquerque. A Rota 66 corta bem o centro da cidade, virando a avenida Central. É bem nela que você verá um letreiro em neon anunciando a chegada ao Monterey Non-Smokers Motel. O visual dele mudou pouco desde os anos 1960, mas apesar dos espelhos vintage, papéis de parede datados e colchas antigas, os colchões e a roupa de cama são novos e garantem uma confortável noite recarregando as baterias.

Monterey Non-Smokers Motel

Albuquerque
8.3 Muito bom (222 avaliações)

Dia 5: De Albuquerque a Winslow, no Arizona

A Rota 66 se junta à estrada I-40 logo na saída de Albuquerque e segue a oeste por 150 quilômetros até Gallup, onde ela se separa novamente e vira a principal via da cidade. Nessa hora, não precisa seguir roteiro, é só se perder pelo centrinho histórico da cidade e admirar os prédios antigos. Vários deles são centenários e passaram por uma restauração recente para manter as fachadas originais, erguidas em vermelho claro e com belos detalhes. Não deixe de passar em frente ao cinema El Morro, na avenida Coal. Ele ficou pronto em 1926 – mesmo ano da Rota 66 – e foi projetado em estilo colonial espanhol. O interessante: ele ainda exibe filmes.

Depois que você sair de Gallup e seguir a jornada, fique atento para a placa marcando a milha 311 da Rota 66, logo depois de cruzar para o estado do Arizona. Aqui, vale a pena desviar um pouco do seu caminho para uma visita a uma das atrações naturais mais bizarras do mundo. À primeira vista, o Parque Nacional da Floresta Petrificada (Petrified Forest) parece apenas um campo com colinas e pedras, mas o que se vê é na verdade o que sobrou de uma grande floresta que há mais de 200 milhões de anos foi inundada por lava e, com isso, acabou petrificada. Com o passar dos anos, sob efeito da erosão e de outros fenômenos naturais, os troncos de madeira começaram a surgir, como fósseis escavados na pedra.

Daqui é só mais uma horinha até a cidade de Winslow, que foi eternizada em 1972 pela música “Take It Easy” da banda Eagles (que tal colocar esse som no rádio durante o percurso?). É em um hotel na cidade que você vai parar por hoje.

Conheça um encantador hotel-fazenda no Arizona

1/3

O clima do hotel La Posada vai fazer você se sentir em casa logo que chegar. Ele tem belos jardins, espaço de sobra e cômodos muito aconchegantes, das salas com mobília de madeira até os quartos confortáveis com inspiração mexicana. Você verá elaborados trabalhos em ladrilhos, candelabros feitos com vidro e latão e lindas tapeçarias coloridas. Não à toa o hotel-fazenda é considerado a obra-prima da arquiteta e designer Mary Colter, que o projetou nos anos 1930.

A dica é fazer o check-in e partir para um suculento jantar no Turquoise Room, que fica dentro do hotel e serve culinária típica do sudoeste americano. Espere deliciosos cortes de carne, costelas, vegetais e bons vinhos para acompanhar.

La Posada Hotel

Melhor avaliado
Winslow
9.3 Excelente (1559 avaliações)

Dia 6: De Winslow a Santa Monica, Califórnia

No sexto dia de viagem, volte ao asfalto da Estrada Mãe e diga adeus a Winslow no retrovisor. À sua frente a paisagem vai ficando cada vez mais montanhosa até você chegar à simpática cidade de Flagstaff, lar da Universidade Northern Arizona. Atravesse o centro e siga pelas florestas tendo no horizonte as altas montanhas do estado. Chegando ao município de Seligman, faça um pit-stop no Delgadillo’s Snow-Cap, que serve hambúrgueres, tacos e burritos desde 1953 no caminho da Rota 66. A fachada colorida e os carros antigos no estacionamento valem a foto.

Saindo de Seligman, a Rota 66 segue para o noroeste, distanciando-se da estrada interestadual e se embrenhando pelas Montanhas Negras do Arizona. Quilômetros à frente ela faz outra curva e abre caminho por entre cactos e vegetação rasteira até chegar à antiga cidade de Oatman, no passado conhecida pela mineração. Após a chegada da Rota 66, a cidade foi totalmente reinventada e virou tudo o que você esperaria de uma cidade do Velho Oeste, num cenário digno dos filmes de Hollywood. Há cavalos e carroças nas ruas, cidadãos vestidos com roupa de época e lojas com fachada de madeira imitando os tradicionais saloons. O destino é bastante turístico, mas vale pela experiência.

Oatman fica a 40 quilômetros da divisa com a Califórnia, onde a Rota 66 continua ao norte passando pela cidade de Needles e pelo deserto de Mojave. Prepare-se para passar horas na estrada com o mais absoluto nada à vista senão pedras, pequenos arbustos e fendas no solo – parece a superfície da lua. É uma paisagem única e muito tranquila. Logo você alcançará Barstow, cidade imortalizada pelo escritor Hunter S. Thompson. Ele situou aqui algumas cenas de seu romance Medo e Delírio (a história deu origem ao filme de 1998). A cidade também abriga outro museu da Rota 66, o Mother Road Museum, que exibe fotos antigas da estrada, placas que atravessaram as décadas e uma coleção de motos e carros antigos. Aproveite para dar adeus ao clima nostálgico da estrada.

 

Termine a viagem num hotel à altura da sua conquista

1/3

O clima é de fim de viagem, mas ainda falta a cereja em cima do bolo: trata-se do The Georgian Hotel, um clássico de Santa Mônica que dá bem de cara para o píer e o oceano. O hotel de fachada azul em estilo Art Deco foi erguido em 1933, então se enquadra na temática histórica da viagem. Muito estimado na cidade, o hotel já recebeu as mais famosas celebridades dos anos de ouro de Hollywood, como Clark Gable e Bugsy Siegel.

Os luxuosos quartos possuem camas macias e todas as comodidades que você pode esperar de um sofisticado hotel. Peça um quarto com vista para o mar para poder admirar as luzes do píer contra o fundo do oceano.

The Georgian Hotel

Santa Monica
8.4 Muito bom (1871 avaliações)