Brasil

Descubra 6 ótimos lugares para ver estrelas no Brasil

Céu estrelado de noite e paisagens lindas de dia - encontre aqui seu próximo destino repleto de astros

De poetas a cientistas, de dia ou de noite. Desde sempre os mistérios do céu chamam atenção de quem está no solo, aqui na Terra. Algumas pessoas moram em lugares onde é possível admirar um céu limpo e estrelado, mas outras não têm a mesma sorte e têm de se contentar com céu fechado. Certo?

Errado. Com ajuda de Ricardo Ogando, astrônomo e pesquisador do Observatório Nacional, James Solon, astrônomo-amador e divulgador do Clube de Astronomia de Pernambuco (AstroPE) e José Carlos Diniz, astrofotógrafo amador, escolhemos os melhores lugares para turistar e também observar o céu.

Não existe um ranking oficial, mas o trio deu a letra para aproveitar um céu perfeito: lugares isolados, altos e com céu aberto. Considerando tais premissas, selecionamos alguns destinos e, claro, hospedagens. Também colocamos dicas extras para você aproveitar tanto os locais como o céu de lá. Confira:

1. Nova Friburgo (RJ): um dos lugares mais bonitos para observar as estrelas

1/2

A cidade de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, é um dos destinos ideais
para se observar o céu e as estrelas graças a sua vasta área verde. Para
quem não é do estado, está lá o maior parque do Rio de Janeiro, o
Parque Estadual dos Três Picos, que conta com uma área de mais de 65
mil hectares.

Este fato é bastante importante, pois, segundo os astrônomos, lugares
mais afastados têm menos interferência de luzes artificiais. “Inclusive é
possível ver a ‘faixa leitosa’, que é o ‘disco’ da nossa galáxia que deu
origem ao seu nome: Via-Láctea”, diz Ogando. O parque também conta
com montanhas de 2.366 metros – ideais para trilhas e banhos de cachoeira.

Hotéis & Aluguéis por Temporada - Nova Friburgo

852 Hotéis
Ver destino

2. Foz do Iguaçu (PR): a nova queridinha dos apaixonados pelo céu

1/2

No começo de 2021, viralizou na internet a foto de Victor Lima, que
mostrava um céu estrelado nas Cataratas do Iguaçu. Embora a imagem
tenha sido manipulada em softwares de edição, turistas e
astrônomos garantem que o céu de Foz do Iguaçu é realmente belo — mesmo
para quem observa a olho nu.

A indicação, inclusive, é observar o céu sem uso de equipamentos. “Inicialmente, é importante que o observador conheça e descubra o céu utilizando apenas a sua visão para adquirir conhecimento antes de investir em um binóculo e/ou telescópio”, diz Solon. “É preciso entender o céu como um todo antes de ver estrela por estrela”, completa Diniz.

Hotéis & Aluguéis por Temporada - Foz do Iguaçu

1771 Hotéis
Ver destino

3. São Francisco Xavier (SP): um oásis no estado mais populoso do Brasil

1/2

Outro fator que dificulta a contemplação do céu é a poluição, tanto do
ar, como também da luminosidade. “Numa região com muita poluição, o
ar acaba ficando contaminado, dificultando a observação já que forma
outra barragem”, diz Ogando. “As luzes também dificultam, pois o brilho
acaba ‘escondendo’ corpos celestes”, completa.

Centros urbanos são a união perfeita destes dois fatores, portanto o
ideal é fugir para as zonas rurais. Caso você more em São Paulo, São Francisco Xavier é uma ótima opção de destino tranquilo no interior paulista. O município conta com apenas 4 mil habitantes, distribuídos numa área territorial de pouco mais de 300 mil quilômetros. Outra vantagem é a sua posição geográfica, já que está num dos pontos mais altos do Brasil, a Serra da Mantiqueira.

Hotéis & Aluguéis por Temporada - São Paulo

81451 Hotéis
Ver destino

4. Alto Paraíso (GO): um céu estrelado com aura esotérica

1/2

“As condições climáticas de onde o observador olha o céu também
podem influenciar positivamente ou negativamente a observação do céu
noturno”, explica Solon. Numa explicação rápida, quanto maior a
umidade, maior a chance de formação de nuvens, o que acaba sendo
um empecilho entre estrelas e observador.

No caso de Alto Paraíso, em Goiás, a época de seca (de abril a outubro) pode ser benéfica para quem quer observar o céu, já que a formação de nuvens
nessa época do ano fica mais difícil de acontecer. Como o lugar ainda
conta com uma aura esotérica, você ainda pode expandir sua mente
com outros conhecimentos milenares que envolvem o céu, como a
astrologia.

Hotéis & Aluguéis por Temporada - Alto Paraíso de Goiás

1014 Hotéis
Ver destino

5. Jalapão (TO): um lugar cheio de estrelas e atrações naturais

1/2

Também é preciso saber diferenciar tempo clima. “Há situações em que
o tempo pode estar praticamente sem nuvens em uma noite de
observação, enquanto que em outra noite pode estar bastante chuvoso.
Já o clima, basicamente, demonstrará como são, em média, as
condições do céu de uma determinada localidade”, diz Solon.

A dica é sempre checar os dados de umidade e pluviosidade (chuvas).
Como o Tocantins também tem seu período de seca, que dura cerca de
4 a 5 meses no inverno, decidimos incluí-lo na lista de destinos
interessantes para observar o céu — além do Jalapão ser um destino
incrível e ainda pouco explorado.

Hotéis & Aluguéis por Temporada - Tocantins

570 Hotéis
Ver destino

6. Amparo (SP): um polo astronômico pertinho da capital paulista

A cidade de Amparo não é a mais alta do Brasil (é Campos do Jordão).
Tampouco é a que tem o céu mais limpo do país (difícil de medir). Mas
acaba reunindo alguns amantes da astronomia de todo o país graças ao
Polo Astronômico de Amparo, que conta com cursos, planetário,
trilhas e observatório.

O espaço de quase 60 mil metros quadrados, na área rural, está a cerca
de mil metros de altitude, o que acaba facilitando a observação tanto
por microscópio como a olho nu. Detalhe para um telescópio que
possibilita ver crateras da Lua, anéis de Saturno, manchas solares,
aglomerados de estrelas, entre outras curiosidades!

Hotéis & Aluguéis por Temporada - Amparo

51 Hotéis
Ver destino

A autora

Juliana Faddul é turista nas horas vagas e jornalista nas horas pagas. Conhece 25 das 27 unidades federativas do Brasil. Morou em três países e já perdeu as contas de por quantos países passou. Ah, faz mala para qualquer destino em 30 minutos.
Siga a autora no Twitter